Aplicações da Estatística Ep. 32 | Homicídios indígenas no Brasil

Artigo científico usa Estatística para investigar os Homicídios indígenas no Brasil: mapeamento e análise de dados secundários (2010 a 2014).


Resultados principais:

Objetivou-se descrever um panorama dos homicídios indígenas no Brasil, analisando suas características e distribuição territorial entre 2010 e 2014. Estudo demográfico com dados da população indígena (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e homicídios indígenas (Ministério da Saúde). Os dados foram analisados utilizando estatística descritiva, estabelecendo características das vítimas, tipos de homicídio e distribuição geográfica, que foram então plotados em mapas usando ArcGIS.



Sobre a metodologia estatística usada para comprovar as hipóteses deste estudo você pode encontrar o passo a passo em nosso Curso Completo de Estatística, onde explicamos:


(1) Em qual situação aplicar cada técnica;

(2) Passo a passo de como fazer no software SPSS ou R e

(3) como interpretar os resultados corretamente

É um curso do zero absoluto ao avançado, aprofundado, voltado para graduandos, mestrandos, doutorandos, professores universitários e pesquisadores. Neste curso já tem tudo organizado e testado, só basta replicar nas suas pesquisas.

Mas caso não queira pegar tudo pronto, ou seja, queira desenvolver seu próprio material de estudo, poderá fazer suas pesquisas em livros, professores particulares, vídeos na internet e consultar quem já aplica Estatística na prática.

Mas enfim, qual o seu posicionamento sobre esta pesquisa? Concorda com o autor? Tem algo a discordar?

Link do artigo:

https://www.scielo.br/pdf/csc/v24n7/1413-8123-csc-24-07-2637.pdf

#populaçãoindígena #homicídio #saúdeindígena #brasil #violência

#drogas #atençãoprimáriaàsaúde #saúdepública #recursoshumanos

#saúdecoletiva


#mestrado #mestrando #mba #dissertação #doutorando #doutorado #tese #monografia #tcc #trabalhodeconclusãodecurso #pesquisacientífica #universidade #artigocientífico #pósgraduação

0 visualização0 comentário